Análise Semanal de Renda Fixa
14/06/2019 à 21/06/2019

Semana 48

Principais Notícias para o Mercado de Renda Fixa

Contribuição: José Luis Gomes Lisboa CFP®

Em um ambiente de forte queda nas projeções para a atividade econômica, o mercado passou a projetar três cortes consecutivos da Selic ainda em 2019, a partir de setembro, terminando o ano em 5,75%, de estimativa de 6,50% na Focus anterior. As estimativas para a Selic em 2020 passaram de 7,00% para 6,50%. A Focus mostrou ainda nova revisão para baixo para o PIB deste ano, a 16ª queda consecutiva, agora de 1,00% para 0,93%. Há quatro semanas a estimativa de crescimento era de 1,24%. Para 2020 o mercado alterou a previsão de expansão de 2,23% para 2,20%. Houve alteração também na previsão para o IPCA de 2019, que passou de alta de 3,89% para elevação de 3,84%. Há um mês estava em 4,07%. A projeção para a inflação está abaixo da meta de 2019, de 4,25%. A projeção para 2020 seguiu em 4,00%.
 
A sinalização do Banco Central de que pode iniciar um processo de afrouxamento monetário condicionado à aprovação da reforma da Previdência, a redução das projeções de inflação e o reconhecimento pelo Copom de que o processo de recuperação econômica foi interrompido e o quadro de afrouxamento monetário global renovaram o apetite dos investidores por mais risco. Os juros futuros tiveram um ajuste importante e já projetam corte da Selic em julho. Esse cenário contempla aprovação da reforma da Previdência em primeiro turno na Câmara antes do recesso parlamentar que começa em 18 de julho.
 
derrota do governo com a derrubada do decreto de porte de armas, o depoimento do ministro da Justiça na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado e o pedido de demissão do presidente do BNDES não chegaram a pesar nos negócios, uma vez que o mercado avaliou que a pauta de reformas está preservada.
 
Como esperado, o Fed manteve os juros inalterados na faixa entre 2,25% e 2,50%, mas houve sinalizações lidas como “dovish” para as próximas reuniões, como medianas mais baixas para inflação e juros. Além disso, neste encontro, nove dirigentes votaram a favor da manutenção dos juros e um apoiou corte de 25 bps. Destacou-se ainda a retirada do termo “paciência” que vinha aparecendo nos textos recentes quando o Fed se referia a futuros movimentos nas taxas. Depois do comunicado as apostas em um corte na taxa de juros americana no mês que vem aumentaram. O resultado abaixo do esperado do PMI, o nível mais baixo em nove anos, reforçou a perspectiva de redução dos juros nos EUA. 
 
O mercado viu na confirmação do presidente dos EUA de que vai se reunir com o presidente chinês no fim deste mês no G-20 sinais de que um acordo entre as partes pode estar mais próximo, o que reduziria os temores de guerra comercial  e, consequentemente, os riscos para a economia global.
 
Cresceu a expectativa de futuros cortes nas taxas de juros nos próximos meses em países com economias desenvolvidas. Após sinalizações dovish do Fed e do BCE, que afirmou que a instituição poderá promover novos cortes de juros ou retomar compras líquidas de ativos se a inflação na zona do euro não acelerar, os bancos centrais da Inglaterra e do Japão indicaram, após decisão de manutenção de juros, que podem realizar cortes no futuro.

 

Fonte: Broadcast.

Principais indicadores para acompanhamento da Renda Fixa

Estruturas a Termo de Taxas de Juros Anbima (Curvas de Juros)

Gráfico de Retorno versus Risco Renda Fixa - Tesouro Direto

Rendimentos da Renda Fixa nominais brutos do Tesouro Direto, Poupança, Ibovespa, Dólar e CDI

Volatilidade da Renda Fixa (Risco de Mercado) Tesouro Direto, Ibovespa e Dólar

Características do Tesouro Direto: Taxa de Compra, Preço de Compra, Duration(Duração), Duração Modificada, DV01 e Volatilidade(Desvio padrão últimos 21 úteis)