Carteiras de Investimento em Renda Fixa → Dezembro de 2023

Acompanhamento do comportamento Mensal de Carteiras de Investimentos em Renda Fixa

Começamos ressaltando que trata-se de um projeto de cunho educacional, não existe sugestão ou indicação de investimento em nenhuma das carteiras. 

É aprender sobre a Renda Fixa acompanhando o mercado, é ter a visão prática e real.

O intuito é contribuir para elevação das discussões sobre investimentos em Renda Fixa no Brasil.

Acreditamos que com a obrigação da Marcação a Mercado de vários ativos de Renda Fixa, fato ocorrido em janeiro de 2023, a necessidade do entendimento sobre comportamento dos ativos de Renda Fixa ficará ainda mais latente.

Gráfico do Retorno Acumulado no Mês

Gráfico do Retorno Acumulado no Ano

→ Resumo Mensal das Notícias do Mercado de Renda Fixa

O mês de dezembro termina positivo para os ativos de risco, seguindo a toada do rali de fim de ano iniciado em novembro e com um cenário de expectativa de que grandes bancos centrais comecem a reduzir juros já no primeiro semestre de 2024, principalmente o Federal Reserve (Fed, o banco central americano). O Ibovespa acumulou valorização de 5,38% neste mês e termina o ano com ganhos de 22,28%, enquanto em Nova York os índices ganharam 6,11% (Nasdaq), 4,72% (S&P 500) e 4,89% (Dow Jones) em dezembro, com respectivas altas de 44,22%, 24,58% e 13,77% no balanço de 2023.

A percepção de que não apenas o ciclo de alta de juros nos Estados Unidos terminou, como de que haverá flexibilização em breve pelo Fed animou os mercados desde o início do mês, com declarações do presidente da autoridade, Jerome Powell, que reforçaram essa perspectiva – embora ele tenha dito que considera prematuro especular neste momento. Mas não adiantou: o discurso derrubou os Treasuries – os títulos do Tesouro americano – e animou as bolsas.

E a influência de Powell não parou por aí. Em dezembro, o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) do Fed anunciou a manutenção da taxa dos Fed Funds em 5,25% a 5,50% ao ano, em decisão unânime e amplamente esperada. O que chamou a atenção foi a perspectiva de que o Fed poderá cortar os juros em até 150 pontos-base em 2024 e a fala de Powell de que as discussões sobre relaxamento monetário já começaram. Isso impulsionou os mercados acionários, com o índice Dow Jones renovando a máxima histórica e fechando acima de 37 mil pontos pela primeira vez.

Por outro lado, os investidores continuaram monitorando a divulgação de dados dos Estados Unidos, que ora indicam para um cenário de afrouxamento monetário, ora para continuidade do aperto. Um exemplo vem com os indicadores de atividade: o relatório ADP mostrou que o setor privado do país gerou 103 mil vagas de trabalho em novembro, bem abaixo do consenso de analistas ouvidos pela FactSet, de 120 mil. No entanto, o mais aguardado e que fez os mercados operarem em compasso de espera foi o relatório de emprego (payroll), que mostrou que os Estados Unidos criaram 199 mil vagas no mês de novembro, resultado ligeiramente acima da mediana calculada pelo Projeções Broadcast (198 mil postos). Na contramão do que previam analistas, a taxa de desemprego no país caiu de 3,9%.

Os dados de inflação americana também foram monitorados. A inflação ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) dos Estados Unidos teve alta marginal de 0,1% em novembro – ante expectativa de estabilidade pelo Projeções Broadcast -, o que pressionou as ações apenas em um primeiro momento. Já o índice de preços ao produtor (PPI) pressionou os rendimentos da renda fixa, após o dado vir estável na variação mensal.

As movimentações em Wall Street se refletiram nos mercados brasileiros, e o Ibovespa acompanhou o apetite a risco visto nos índices de Nova York nas últimas semanas. Por aqui, com esse rali de fim de ano, a referência da B3 renovou recordes nominais consecutivos e fecha o ano no patamar recém conquistado de 134 mil pontos.

Por aqui, destaque também para a taxa básica de juros, com decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central por mais um corte de 0,50 ponto porcentual na Selic, agora a 11,75% ao ano – conforme amplamente esperado – e antevendo reduções da mesma magnitude nas próximas reuniões – no plural. O debate sobre cortes maiores na Selic, inclusive, perderam fôlego após a divulgação do IGP-M e do IPCA-15 hoje, com os dois indicadores acima do esperado pelo mercado, o que pressionou os juros futuros.

Outro fator de atenção no decorrer do mês foi o andamento de pautas econômicas no Congresso. Houve aprovação da Medida Provisória (MP) da subvenção do ICMS, da Reforma Tributária e da MP das apostas esportivas, além do Orçamento de 2024 pelo Congresso.

Na última coletiva prevista deste ano, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, apresentou nesta manhã três medidas que, segundo ele, irão manter o orçamento de 2024 equilibrado, ou seja, em linha com a meta de déficit primário zero. Tudo será encaminhado por meio de uma única Medida Provisória, que já está na Casa Civil, e cuja data de publicação depende do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT). De acordo com o ministro, as propostas anunciadas não criam receita adicional, mas repõem recursos em renúncias que não estavam inicialmente previstas no projeto de lei orçamentária enviado pelo governo em 31 de agosto, já aprovado pelo Congresso – uma delas, a prorrogação da desoneração da folha de pagamento para 17 setores.

Fonte: Broadcast

→ Comportamento dos Ativos

O mês de dezembro de 2023 foi mais um de ganhos para os ativos de risco na Renda Fixa, como os Prefixados e IPCA+ mais longos. Foi um mês de fechamento nas Taxas de Juros.

O IMA-S (0,92% no mês), carteira de Tesouros Selic e IDA-DI (0,98% no mês), carteira de debêntures CDI, renderam acima do CDI ► 0,90%.

Destaques positivos Pré de 5 anos +2,88% e IPCA de 20 anos +6,58% no mês.

As Curvas de Juros seguem invertidas (Taxa CDI (11,65% a.a. em novembro) maior que as Taxas de vencimentos superiores, logo o carregamento de ativos segue negativo) e pesa sobre os retornos dos ativos Prefixados e IPCA+ quando comparados ao CDI. Formato da curva segue rumo a normalização.

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,37% no mês de dezembro.

Ibovespa valorizou-se +5,38% e o Dólar perdeu -1,91%.

Todas as Carteiras superaram o CDI em dezembro de 2023.

Curvas de Juros de Títulos Públicos Anbima ( ETTJ Svensson)

Prefixados

IPCA+

Inflação Implícita

Resultados das Carteiras de Renda Fixa

Carteira de Renda Fixa Conservadora

Carteira Conservadora de Renda Fixa

O perfil Conservador obteve um retorno no mês de 0,96% (107,19% do CDI).

Os ativos de Crédito Privado atrelados ao CDI – IDA DI rendeu (0,98% no mês) o CDI → 0,90%.

Destaque positivo para IPCA+ de 2 anos +1,45%.

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,37% no mês de dezembro.

Carteira de Renda Fixa Moderada

Carteira Moderada de Renda Fixa

O perfil Moderado obteve um retorno no mês de 1,37% (152,56% do CDI).

Os ativos de Crédito Privado atrelados ao CDI – IDA DI (0,98% no mês) e o IDA IPCA (2,45%), o CDI → 0,90%.

Destaque positivo para IPCA+ de 10 anos +3,68% e o Pré de 2 anos 1,50%.

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,37% no mês de dezembro.

Carteira de Renda Fixa Arrojada

Carteira Arrojada de Renda Fixa

O perfil Arrojado de Renda Fixa obteve um retorno no mês de 1,95% (217,61% do CDI).

Os ativos de Crédito Privado atrelados ao CDI – IDA DI (0,98% no mês) e o IDA IPCA (2,45%), o CDI → 0,90%.

Destaques positivos Pré de 5 anos +2,88% e IPCA de 20 anos +6,58% no mês.

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,37% no mês de dezembro.

Carteira de Renda Fixa + Renda Variável

Carteira de Renda Fixa + Renda Variável

O perfil RF + RV obteve um retorno no mês de +3,48% (379,47% do CDI). 

Os ativos de Crédito Privado atrelados ao CDI – IDA DI (0,98% no mês) e o IDA IPCA (2,45%), o CDI → 0,90%.

Destaques positivos Pré de 5 anos +2,88% e IPCA de 20 anos +6,58% no mês.

O Ibovespa teve o melhor retorno da carteira no mês valorizou-se +5,38%.

O Dólar perdeu -1,91%, sendo o detrator da carteira.

A carteira RF e RV foi a de melhor rendimento em dezembro de 2023.

Retorno Acumulados das Carteiras de Renda Fixa

Retorno Ano

Retorno no Mês