Relatório Mensal Carteiras de Investimento em Renda Fixa → Fevereiro de 2024

Acompanhamento do comportamento Mensal de Carteiras de Investimentos em Renda Fixa

Começamos ressaltando que trata-se de um projeto de cunho educacional, não existe sugestão ou indicação de investimento em nenhuma das carteiras. 

É aprender sobre a Renda Fixa acompanhando o mercado, é ter a visão prática e real.

O intuito é contribuir para elevação das discussões sobre investimentos em Renda Fixa no Brasil.

Acreditamos que com a obrigação da Marcação a Mercado de vários ativos de Renda Fixa, fato ocorrido em janeiro de 2023, a necessidade do entendimento sobre comportamento dos ativos de Renda Fixa ficará ainda mais latente.

Gráfico do Retorno Acumulado no Mês

Gráfico do Retorno Acumulado no Ano

→ Resumo Mensal das Notícias do Mercado de Renda Fixa

Os sinais sobre a política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), a disparada de ações das gigantes da tecnologia americana e o desenrolar da temporada de balanços aqui e no exterior foram os destaques de fevereiro. Isso tudo em um mês também marcado por feriados aqui – de Carnaval -, nos Estados Unidos – do Dia do Presidente – e na China – do ano novo lunar -, momentos que deixaram mercados fechados e reduziram liquidez.

Neste mês os investidores acompanharam a divulgação das atas das reuniões mais recentes tanto do Comitê de Política Monetária (Copom) quanto do Fed. No caso do BC brasileiro, o documento foi considerado mais “hawkish” (duro), reforçando a necessidade de cautela nas decisões, mas não teve potencial para alterar as apostas para política monetária. O que deixou mercado ressabiado foi a divulgação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de janeiro, que subiu 0,42%, acima da mediana da pesquisa Projeções Broadcast (0,37%), e ditou um tom negativo para os mercados locais.

Já a ata do Fed foi aguardada com cautela, mas o documento veio dentro do esperado e apenas reforçou que os banqueiros centrais americanos não sentem urgência para começar a cortar juros. A visão foi reiterada por dirigentes da instituição nos últimos dias, enquanto indicadores dos Estados Unidos seguem mostrando sinais mistos sobre a economia do país.

Destaque desta semana, o Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos cresceu ao ritmo anualizado de 3,2% no quarto trimestre de 2023, abaixo da estimativa inicial e da previsão de analistas consultados pela FactSet (+3,3%). A leitura mostra significativa desaceleração da economia americana em relação ao terceiro trimestre de 2023 (+4,9%).

Do lado da inflação, o índice de preços de gastos com consumo (PCE, na sigla em inglês) americano subiu 0,3% em janeiro ante dezembro e que seu núcleo avançou 0,4%, em linha com as expectativas de analistas. Além disso, a taxa anual do PCE desacelerou para 2,4% em janeiro, de 2,6% no mês anterior, enquanto a do núcleo arrefeceu para 2,8% no mês passado, de 2,9% em dezembro. O indicador melhorou levemente as chances de um corte nos juros básicos em junho, o que animou as bolsas de Nova York hoje, após dias na expectativa pelo dado.

No mercado acionário, os destaques do mês foram as ações de tecnologia, nos Estados Unidos, e as blue chips, por aqui. Apoiado em especial pelo otimismo com o segmento de inteligência artificial (IA), as gigantes americanas saltaram no decorrer do mês, inclusive renovando máximas dos índices de Nova York.

Já na B3, as blue chips Vale e Petrobras tiveram dias de luta e dias de glória, ficando em evidência em diversos pregões nas últimas semanas, ora por movimentos dos preços das commodities ora por notícias corporativas. Assim, o Ibovespa acabava acompanhando a direção que as ações tomavam, dado o peso delas no índice teórico.

Assim, no acumulado de fevereiro, o Ibovespa avançou 0,99% e o dólar subiu 0,72% ante o real. No exterior, o período foi de ganhos para as bolsas de Nova York, com altas de 2,22% (Dow Jones), 5,17% (S&P 500) e 6,12% (Nasdaq), enquanto o índice DXY, que mede o dólar frente a outras moedas fortes, teve avanço de 0,85% na variação mensal.

No pano de fundo, o Congresso começou a retomar os trabalhos, o que pode trazer novidades em breve nas pautas econômicas. Além disso, vem acontecendo nos últimos dias a Trilha de Finanças do G20, sob a presidência do Brasil, o que tem reunido o primeiro escalão da economia mundial em São Paulo.

Fonte: Broadcast

→ Comportamento dos Ativos

O mês de Fevereiro de 2024 foi um mês de abertura nas Taxas e de ganho de inclinação nas Curvas de Juros

O IMA-S (0,82% no mês), carteira de Tesouros Selic, IDA-DI (1,16% no mês) e IDA-IPCA (2,45% no mês) – carteiras de debêntures Anbima, renderam acima do CDI ► 0,80%

Destaque positivo do mês para os ativos de crédito privado das carteiras que renderam bem acima do CDI, refletindo o fechamento dos spreads de crédito.

Demais ativos de Renda Fixa renderam aquém do CDI

Destaque negativo para Pré de 5 anos -0,08% no mês.

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,58% no mês de fevereiro.

Ibovespa valorizou-se 0,99% e o Dólar rendeu +0,60%.

Curvas de Juros de Títulos Públicos Anbima ( ETTJ Svensson)

Prefixados

IPCA+

Inflação Implícita

Resultados das Carteiras de Renda Fixa

Carteira de Renda Fixa Conservadora

Carteira Conservadora de Renda Fixa

O perfil Conservador obteve um retorno no mês de 0,80% (99,16% do CDI).

O IMA-S (0,82% no mês), carteira de Tesouros Selic e IDA-DI (1,16% no mês) carteiras de debêntures Anbima, renderam acima do CDI ► 0,80%

Destaque positivo do mês para os ativos de crédito privado das carteiras que renderam bem acima do CDI, refletindo o fechamento dos spreads de crédito.

Demais ativos de Renda Fixa renderam aquém do CDI

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,58% no mês de fevereiro.

Carteira de Renda Fixa Moderada

Carteira Moderada de Renda Fixa

O perfil Moderado obteve um retorno no mês de 0,84% (104,93% do CDI).

O IMA-S (0,82% no mês), carteira de Tesouros Selic, IDA-DI (1,16% no mês) e IDA-IPCA (2,45% no mês) – carteiras de debêntures Anbima, renderam acima do CDI ► 0,80%

Destaque positivo do mês para os ativos de crédito privado das carteiras que renderam bem acima do CDI, refletindo o fechamento dos spreads de crédito.

Demais ativos de Renda Fixa renderam aquém do CDI

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,58% no mês de fevereiro.

A carteira Moderada foi a campeã em Fevereiro de 2024.

Carteira de Renda Fixa Arrojada

Carteira Arrojada de Renda Fixa

O perfil Arrojado de Renda Fixa obteve um retorno no mês de 0,83% (103,26% do CDI).

O IMA-S (0,82% no mês), carteira de Tesouros Selic, IDA-DI (1,16% no mês) e IDA-IPCA (2,45% no mês) – carteiras de debêntures Anbima, renderam acima do CDI ► 0,80%

Destaque positivo do mês para os ativos de crédito privado das carteiras que renderam bem acima do CDI, refletindo o fechamento dos spreads de crédito.

Demais ativos de Renda Fixa renderam aquém do CDI

Destaque negativo para Pré de 5 anos -0,08% no mês.

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,58% no mês de fevereiro.

Carteira de Renda Fixa + Renda Variável

Carteira de Renda Fixa + Renda Variável

O perfil RF + RV obteve um retorno no mês de 0,76% (94,60% do CDI). 

O IMA-S (0,82% no mês), carteira de Tesouros Selic, IDA-DI (1,16% no mês) e IDA-IPCA Infra (2,45% no mês) – carteiras de debêntures Anbima, renderam acima do CDI ► 0,80%

Destaque positivo do mês para os ativos de crédito privado das carteiras que renderam bem acima do CDI, refletindo o fechamento dos spreads de crédito.

Demais ativos de Renda Fixa renderam aquém do CDI

Destaque negativo para Pré de 5 anos -0,08% no mês.

A parte de inflação dos títulos IPCA+, o VNA IPCA, rendeu 0,58% no mês de fevereiro.

Ibovespa valorizou-se 0,99% e o Dólar rendeu +0,60%.

Retorno Acumulados das Carteiras de Renda Fixa

Retorno Ano

Retorno no Mês