Análise do Mercado de Renda Fixa e Tesouro Direto: Semana 157

Curva de Juros Futuro do DI em 23/07/2021

Curva de Juros Futuro do DI em 16/07/2021

Highlights (Resumo): Alta nas Taxas de Juros.

Principal(is) vetor(es): as preocupações com o impacto da variante delta do coronavírus, desconforto com o cenário político e IPCA-15 de julho (0,72%), que superou a mediana das estimativas.

Destaque(s): Inflação, Política e Covid.

Principais Notícias para o Mercado de Renda Fixa e Tesouro Direto.

Contribuição: José Luis Gomes Lisboa CFP® Linkedin

O Relatório de Mercado Focus alterou a previsão para o IPCA este ano de alta de 6,31% para 6,56%, bem acima do teto da meta de 2021, de 5,25%. Há um mês estava em 5,97%. A projeção para o índice em 2022 foi de 3,75% para 3,80%. A meta de 2022 é de 3,50%. Quatro semanas atrás estava em 3,78%.

O mercado futuro de juros começou a semana refletindo o receio em relação à disseminação da variante delta do coronavírus pelo mundo e terminou influenciado pelo IPCA-15 de julho acima da mediana. Houve abertura das taxas em toda a curva a termo. A inclinação medida pelo spread entre os vencimentos do DI jan/22 e jan/27, caiu de 281 pontos-base na última sexta-feira (16) para 268 pontos no encerramento da semana.

Os condutores do movimento da curva foram:

  • as preocupações com o impacto da variante delta do coronavírus, altamente contagiosa, que pode provocar uma desaceleração econômica global com efeitos deflacionários, tornando necessária a manutenção dos estímulos monetários pelo mundo,
  • o desconforto com o cenário político, com temor de dificuldades no andamento da agenda de reformas em função da possibilidade de veto ao fundo eleitoral de R$ 5,7 bilhões incluído na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO),
  • a mudança ministerial que dá mais poder ao Centrão, numa tentativa de melhorar as relações entre Executivo e Senado,
  • sinais ‘dovish’ vindos do BCE que indicou que terá de manter sua política monetária em níveis estimulativos diante das ameaças da variante delta sobre a economia,
  • a expressiva desaceleração da segunda prévia do IGP-M de julho (0,72%), ante 1,27% na mesma leitura de junho,
  • e o IPCA-15 de julho (0,72%), que superou a mediana das estimativas (0,65%) e trouxe preços de abertura considerados bastante negativos, desencadeando uma série de revisões para cima na inflação e Selic.

A leitura é de que o quadro para a inflação é ruim e exigirá um esforço maior do Banco Central para evitar a contaminação das expectativas.

As apostas de aceleração no ritmo de aperto da taxa básica para 1 pp nas reuniões do Copom de agosto e setembro, que vinham perdendo força nos últimos dias, voltaram a ser amplamente majoritárias.

O dólar à vista encerrou a semana com valorização de 1,86%, cotado a R$ 5,2105. Em julho, a alta acumulada é de 4,77%.

Os fatores que influenciaram as máximas e mínimas da moeda americana foram:

  • o eventual impacto da disseminação da variante Delta do coronavírus sobre o crescimento global,
  • a perspectiva de que uma Selic mais elevada poderia aumentar o diferencial de juros local e externo, gerando mais atratividade para operações de carry trade,
  • a preocupação com a questão fiscal diante do avanço do Centrão, que pode agravar a pressão por gastos,
  • e a alta de 0,72% do IPCA-15 de julho, que apesar de ter desacelerado em relação a junho (0,83%), veio acima das expectativas, de 0,65%, com aceleração do segmento de serviços, mais sensível ao ritmo da atividade econômica.

Semana de 26 a 30 de julho

No Brasil, são esperados para ao longo da semana a Nota do Setor Externo e os dados do Caged de junho, além da Pnad Contínua de maio. A agenda contempla, ainda, os dados fiscais do mês passado. Na sexta (30), a Aneel informa qual bandeira tarifária de energia vai vigorar em agosto.

No exterior, o ponto alto da agenda econômica é a reunião de política monetária do Fed, na quarta-feira (28), com entrevista coletiva do presidente da instituição, Jerome Powell, na sequência do encontro. Ainda nos EUA, saem o resultado do PIB do segundo tri na quinta-feira (29) e a medida de inflação preferida do Fed, o índice de preços de gastos com consumo (PCE) relativo a junho, na sexta (30).

Fonte: Broadcast

Principais indicadores para acompanhamento da Renda Fixa e Tesouro Direto

Curvas de Juros do Tesouro Direto

Gráfico de Retorno versus Risco Renda Fixa - Tesouro Direto

Rendimentos e Volatilidade da Renda Fixa: Tesouro Direto, Poupança, Ibovespa, Dólar, IDA Anbima e CDI

Características do Tesouro Direto: Taxa de Compra, Preço de Compra, Duration(Duração), Duração Modificada, DV01 e Volatilidade(Desvio padrão últimos 21 úteis)

Volatilidade da Renda Fixa (Risco de Mercado) Tesouro Direto, Ibovespa e Dólar

Retornos Mensais e 12 Meses Ordenado

Ranking Mensal Colorido de Rentabilidades Tesouro Direto, Poupança, Ibovespa, Dólar, IDA Anbima e CDI